Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha vidinha

A minha vidinha

06
Dez19

A primeira pessoa que odiei

Maki

Toda a gente gostava do homem, diziam que ele era um óptimo professor, e que eu tinha sorte de o ter. E eu acreditei nisso até que o voltei a ver neste verão. 

Desde o quarto ano que não o via, o que perfaz 14 anos. O homem sorriu-me e acenou, e nesse momento tive um clique e percebi que odiava o homem, ele foi a primeira pessoa que odiei e não tinha noção disso porque enquanto criança não sabia o que era a definição de ódio. Mas odiava-o. E ainda hoje o odeio. 

Foi meu professor do primeiro ao quarto ano. Era cristão, e demonstrava-o expondo uma cruz na qual jazia um homem magrissimo representando Jesus Cristo por cima do quadro. Era bastante gráfica e ainda hoje me lembro perfeitamente dela. Note-se que apesar da escola que frequentei ter sido edificada no tempo de Salazar, quando andei lá era uma escola pública e estávamos no início do milénio. 

Mas não é pela cruz e os pesadelos associados à mesma que o odiava sem saber. Haviam tantas coisas erradas... 

O homem segregava-nos, os mais "inteligentes" (inteligente não é bem a palavra... Que com 6 anos podemos ser o que quisermos com o estímulo necessário...) e/ou filhos de pessoas mais influentes ficavam no lado direito da sala. Os mais pobres, "burros", irrequietos e ciganos ficavam no lado esquerdo. Era o quadro e a cruz pendurada sobre ele que nos separava. 

Eu e a minha melhor amiga do tempo da pre-primaria ficámos em lados opostos. 

O homem escolhia 4 capitães de equipa no início do ano e obrigava-nos a formar equipas. Ao longo do ano se ganhassemos algum concurso de tabuadas ou assim ganhávamos um ponto. Se alguém da equipa se portasse mal perdiamos um ponto. Era muito bonito quando ganhávamos, mas quando perdíamos o ambiente ficava estranho. 

O senhor nunca bateu num único aluno. Isso é verdade. Obrigava os outros a fazerem esse trabalho por ele. Quando alguém se portava mal ele escolhia uma das pessoas que se sentavam no lado direito da sala para dar um "cachaçao" em quem interferia com a aula, geralmente o professor escolhia os moços porque eles tinham mais força. Uma vez fui eu, a bicha mais quieta da sala, a que evitava meter-se em confusões e só queria deixar de trocar os Ps com os Qs, os Ds com os Bs e com os Vs. Lembro-me perfeitamente de fazer o caminho entre a minha mesa e a do gajo mal comportado, com histórico de violência e que já fumava bem antes dos 9, do medo que sentia enquanto ele sorria ao me ver aproximar. De antes de dar o cachaçao olhar para o professor e o cabrao estar com um sorriso estúpido na cara. Foi nesse momento que comecei a odiar o homem. 

Entretanto esse ódio, que eu não sabia ser ódio veio a crescer. 

Não dei um cachaçao com força, primeiro porque não a tinha, segundo, porque não sentia que merecia a pena levar uma sova do tipo quando chegasse lá fora. E voltei para o meu lugar. 

No dia seguinte o tipo a quem dei uma "festinha" no cachaço, começou a gozar comigo. A dizer que o professor lhe tinha dito que eu gostava dele e que tinha sido por isso que não tinha dado com força. Posteriormente o professor também fez um comentário em relação a isso numa aula. Odiava-o. Odiava-o com toda a minha pequena alminha e não sabia. 

Entretanto, como há almas gémeas,  também passei a odiar a sua mulher. Que apareceu toda sorridente no funeral da minha avó com uma coroa de flores por finalmente ter mais uma cama livre no lar. Uns atormentam e segregam os mais novos, outros desidratam e segregam os mais idosos. 

Não há ódio como o primeiro. 

13
Jun19

Ai que as consultoras querem-me

Maki

Tenho a tese atrasada, muito atrasada, mas decidi começar a enviar currículos, ver propostas de emprego, actualizar o perfil do LinkedIn, e damn... As consultoras estão desesperadas...

Enviei o currículo e umas horas depois já tinha resposta de umas consultoras... Que honestamente são a minha ultima escolha... Porque se começar numa consultora vou ser escravizada e nunca mais vou conseguir sair do loop de trabalhos associados a programação... E se eu quisesse programar para o resto da minha vida tinha ido para informática... 

Claro que não vou meter essa hipótese de lado, mas sendo honesta vou aproveitar pelo menos 2 consultoras para fazer um aquecimento para as entrevistas de emprego de empresas que realmente me interessam... Se elas se aproveitam de recém-licenciados e mestrandos (?), sinto que não é muito injusto que também me aproveite deles para me preparar... 

Rezemos para que um dia encontre um emprego, e acima de tudo, que ganhe força para começar a trabalhar a sério na tese.

16
Abr17

Quando a irresponsabilidade não tem limites

Maki

Acordei, peguei no telemóvel e vi o led a piscar, um arrepio percorreu-me a espinha. Mas abri o messenger na esperança que algum milagre tivesse acontecido e o fdp tivesse finalmente feito algo do que lhe pedi... Se um homem pode ressuscitar ao terceiro dia o outro também deveria ser capaz de desenhar rectângulos... "tenta copiar o trabalho pelos teus amigos que eu descobri que tenho teste quarta x)". Han? Tento o que?! Contratar um hitman para te limpar o sebo? Vou pensar nisso assim que acabar de tratar dos pormenores finais do projecto que tenho vindo a fazer ao longo da semana com zero ajuda enquanto andas a laurear a pevide.

03
Abr17

O dia da entrega

Maki

13h01 - O meu querido e bastante responsável colega de grupo informa-me que não conseguiu fazer a parte dele do trabalho no tempo previsto.

13h02 - Pergunto o que ficou feito.

13h11 - Recebo a indicação de que não fez nada.

14h00 - Estou atrasada para a aula devido a um pequeno imprevisto que pode ou não ter envolvido um grande desabafo com uma das minhas colegas de casa.

15h20 - Faltam 10 minutos para uma aula que abordava o dito trabalho, cujo prazo de entrega é esta meia noite, quando pergunto ao meu  colega onde raio é que ele está. 

15h30 - A aula acaba, alguns dos meus colegas de curso desejam-me sorte e seguem com os respectivos parceiros para salas de estudo. 

15h38 - Sou informada que o menino está a lanchar. Pergunto onde decido abandonar a faculdade.

15h41 - Descubro que o idiota está numa padaria a mais de 15 minutos da faculdade, alegro-me da minha intuição estar correcta e de já estar caminho de casa, peço-lhe para tentar avançar com aquilo que não fez e para comunicar-mos por skype que assim é mais produtivo.

16h00 - Vou ao supermercado e compro demasiados doces para tentar ficar feliz. 

16h36 - Chego ao quarto e começo a trabalhar.

17h08 - O bastardo informa-me que chegou a casa. Alegro-me de não ter ficado à espera dele na faculdade.

18h12 - Pergunta-me se tinha inquirido o professor sobre um PORMENOR. Interiormente mando-o para muitos sítios e peço-lhe para se focar no que está a fazer e cagar naquilo.

19h00 - Acabo de fazer uma parte do trabalho que ele deveria ter feito.

20h01 - Pergunta-me novamente pelo pormenor...

21h10 - Envia-me o que fez. Refere que adorava ter feito uma das partes do trabalho que eu fiz e que curiosamente ele devia ter feito.

21h23 - Após respirar profundamente várias vezes e desabafar na cozinha que ele é um idiota digo-lhe que o podia ter feito, mas que como não temos tempo avancei com ele.

21h30 - Critica uma das escolhas que fiz. Faltam 2h30 para a entrega, faltam imensas coisas mas ele queixa-se do que fiz, respiro fundo e explico.

22h51 - Queixa-se que a parte dele levou muito tempo a fazer, que teve que ver tudo a pente fino. Riu-me e alegro-me de não estar ao pé dele, não sei se ao ouvir algo assim pessoalmente após fazer o triplo do trabalho do menino era capaz de não o mandar para um sitio menos agradável.

23h05 - Implica novamente com um detalhe insignificante.

23h14 - Continua a carregar na mesma tecla. 

23h33 - Questiona-me se pode enviar o trabalho desta vez porque da ultima não foi ele. Digo que sim, é da forma que faz algo útil e possivelmente se esquece do detalhe.

23h37 - Sinto uma pontada na barriga e vou para a casa-de-banho, não devia ter comido tantos chocolates.

23h41 - Tomo um ultra levur e pergunto-lhe se já enviou o trabalho.

23h45 - Dou por mim a comer mais chocolate. 

23h52 - O trabalho é enviado.

23h55 - O jovem sugere que prestemos mais atenção nas aulas, lembro-me que hoje era a única do grupo presente na aula e concordo.

01
Abr17

Trabalhos de grupo...

Maki

Nos dias que correm a vida dos estudantes tem tudo para ser eficiente, existem ferramentas que nos permitem mexer no mesmo ficheiro em simultâneo com as funções necessárias para fazer um trabalho decente. Mas adivinhem quem é que anda a enviar e receber versões e versões de documentos word? Yup... E adivinhem que é que anda a mexer nas versões menos actuais do documento? Não, não sou eu... É o único rapaz do meu grupo que se recusa a usar o Google Docs. Adivinhem que é que me acusou de não mandar dados que foram pedidos DA FORMA FOFA, QUERIDA, AGRADAVEL, SIMPÁTICA QUE O CAPS LOCK TRANSMITE 3 HORAS ANTES DA ENTREGA FINAL QUANDO EU OS TINHA ENVIADO NO DIA ANTERIOR? Pois... Também foi ele. 

09
Fev17

Sou uma besta

Maki

Nunca ninguém é 100% feliz numa casa partilhada, portanto sempre que o pessoal da terrinha se reune acabamos por nos queixar das pessoas com que nos vemos obrigados a dividir casa durante a faculdade, sempre que isso acontece apercebo-me que sou uma besta.

Após 3 anos nessa vida deixei de ter paciência para ser passiva. Se vejo alguma coisa cagada não consigo passar ao lado enquanto rezo para que o responsável limpe aquilo, simplesmente limpo e posteriormente falo com quem suponho ser o responsável, se não fizer ideia de quem foi falo com toda a gente lá de casa para que aquilo não se volte a repetir. Se não há espaço no congelador não me queixo ao senhorio, falo com as pessoas arranjo um tempinho, despejo o congelador e tiro o gelo que ocupava mais de 50% do espaço útil. Se a ligação à Internet está uma porcaria não choro e digo mal do senhorio na cozinha, ligo-lhe a queixar-me. Se algum cano está entupido não espero que a gravidade faça com que a água desapareça e deixe um rasto de gordura, pego no desentupidor posteriormente limpo o lava-loica. Se alguém tem uma ideia horrível para melhor alguma zona da casa dou-lhe a minha honesta opinião mas digo-lhe que está à vontade para experimentar.

O meu senhorio diz que sou desenrascada, as minhas amigas dizem que sou uma besta.

14
Set16

Bando de ladrões!

Maki

Pois é meus caros, arranjar quarto em Lisboa nunca foi fácil nem barato, mas este ano está estupidamente complicado. No espaço de um ano os preços subiram cerca de 30 euros por mês sendo que muitos deles nem tem as despesas incluídas, no ano passado já me revoltei sobre isto mas wooow cada vez está pior...

Este ano fui visitar um quarto "anexo" num T4 (ou seja, para ir à casa de banho ou à cozinha a meio da noite tinha que trancar a porta do meu quarto, destrancar a porta da rua, andar um corredor enorme, fazer o que tinha a fazer, abrir a porta da rua, trancar a porta da rua, destrancar a porta do meu quarto e finalmente voltar para a cama. Demasiado trabalho para fazer um xixinho.) e o raio do quarto era 250euros sem despesas incluídas num bairro meh... Encontrei outro que consistia num cubículo sem janela e onde a secretária era uma mesa roubada de uma esplanada a 280 euros sem despesas. Acabei por encontrar um jeitoso por 260 euros com tudo incluído (limpeza também, um autentico milagre).

Algum dos quartos que visitei tinha recibo? Não! 

Depois existe o Uniplaces que é outra coisa que me faz comichão... Os amiguinhos vendem gato por lebre, não dão a possibilidade de visitar o quarto e ainda exigem algo como 100 euros pelo serviço prestado... Que serviço? As fotografias profissionais que transformam o covil mais sinistro num recanto agradável? Eu não vou pagar 100 euros para ter a desilusão da minha vida... 

Após 3 anos que incluíram 4 momentos de procura de quartos tenho um único conselho a dar: visitem os quartos cujos anúncios não tem fotografias ou os que tem fotografias ranhosas que só apanham um canto do quarto e assim... Tendem a ser mais baratos, terem menos interessados e não vos vão desiludir... E perguntem sempre se existe recibo, pode ser que tenham sorte... O meu primeiro senhorio disse que passava recibo... O recibo dele era um papelinho a dizer "pago" seguido do valor que paguei... Quando me deu o papel pela primeira vez ri-me, quando me apercebi que o senhor não estava a brincar e me considerava burra ao ponto de aceitar aquilo como recibo após ter passado 1 dia sem luz e 15 dias a tomar banhos entre o "extremamente quente" e o "vou congelar" peguei nas minhas tralhas e mudei de casa.

15
Jun16

O exame mais rápido da minha vida

Maki

Depois de enfardar o almoço o mais rápido que consegui, corri para o metro, quando cheguei lá, toda suada e porca reparei que se o metro não se atrasasse não teria que correr depois de sair dele, apesar disso quando sai do metro resolvi andar depressa. Entrei na sala onde supostamente pertencia até que o professor me avisou que não havia mais lugares e mandaram-me para outra. Agora sim estava mesmo em cima da hora. Cheguei à outra sala, ainda ninguém tinha os enunciados à frente, por isso respirei de alivio e sentei-me. Depois de me sentar reparei que ninguém me era familiar. Ninguém... mas como sou má com caras e nunca fui muito social no curso caguei um pouco no assunto. Olhei para o professor e também nunca o tinha visto... Mas por vezes os professores que dão os exames não são da cadeira, não dei importancia e tirei a calculadora. 

Entretanto o professor começa a dar os enunciados dos exames... Era exame de MO... Eu não sai de casa para fazer exame de MO... Eu não tenho MO. Devolvi o enunciado e sai da sala o mais rápido e silenciosamente que consegui. Verifiquei o calendário... Enganei-me no dia do exame... Corri, comi depressa, e fiquei toda suada para chegar a horas a um exame que não era o meu. 

Foi um bom dia.

05
Jun16

Como se ficar na falência não fosse dor suficiente...

Maki

Ontem após um exame em relação ao qual não tinha muitas esperanças resolvi ir dar uma voltinha à feira do livro para desaluviar a cabeça e sair do estado de depressão em que estava. Realmente andei por lá feliz da vida.... Durante demasiado tempo... Para alem de ter acabado os fundos para a Feira, apanhei um escaldão lindo em 1/3 dos ombros. Sim... 1/3 que o resto estava tapado pelas alças da mochila. Devo dizer que estou extremamente sexy e que apesar de fazer mal e doer como o caraças aconselho qualquer pessoa a tentar este novo estilo. 

Considerando que o céu estava meio nublado podemos considerar que foi uma espécie de castigo divino por estar a gastar dinheiro em vez de me preparar para o proximo exame...

Mas heeeeeeey! Consegui comprar "Dentro do Segredo" e "A Questão de Finkler" a metade do preço para juntar a "A Peregrinação do Rapaz Sem Cor", "1984" e "Galveias", poupei cerca de 40 euros o que não foi nada mau... Mas a minha carteira chora e os meus ombros ardem.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D