Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha vidinha

A minha vidinha

31
Ago17

Fugindo do óleo de palma

Maki

Após ver um documentário que falava sobre a cultura do óleo de palma, da vida dos trabalhadores e das suas famílias decidi tirar esse ingrediente da minha alimentação.

Como estou na terrinha as coisas têm andado a correr bem, como os bolos tradicionais daqui que são feitos no dia, o pão, e o meu pai tem ido à horta buscar hortaliças e vegetais por isso tenho conseguido viver bem sem isso até hoje. Acordei da sesta com uma vontade colossal de comer bolachas, fui ao mini-mercado aqui ao lado peguei nas minhas bolachas favoritas e li os ingredientes enquanto fazia figas BUM "óleo de palma" , peguei nas bolachas ao lado "gordura de palma", peguei em todas a bolachas com bom aspecto e todas elas tinham algum ingrediente com "palmqualquercoisa" na constituição,fiquei triste, peguei numas bolachas de arroz e vim para casa comer um bocado de esferovite sem Nutella porque pronto... Óleo de palma...

Esta escolha vai ser super benéfica para a minha linha, quando voltar para Lisboa devo morrer de fome...

08
Abr17

Problemas de lidar com românticos incuráveis

Maki

No ano passado comentei com um amigo que havia um jovem que trabalhava numa livraria e que por duas vezes me deixou levar o livro mais caro de graça em vez do mais barato como dizia a promoção e que tinha sido muito bacano da parte dele. Ui... As teorias que surgiam naquela cabeça: "Ai ele quer-te! OMG tens que ir lá mais vezes! Ah! Um gajo que vende livros! Isso era o ideal para ti!", quando o rapaz só o fazia porque sabia perfeitamente o quão caro ler pode ser. 

Para ai em Dezembro comentei que me tinham acabado de pedir dinheiro para ajudar uma associação de animais "Foi um rapaz que te pediu? Era jeitoso? Se te pediu dinheiro com a cara com que costumas andar é porque te queria comer! Ainda por cima gosta de animais! Tu gostas de animais!", quando o rapaz só estava a fazer a sua função a abordar qualquer pessoa que passasse.

Hoje disse-lhe que sempre que vou a uma livraria sou atendida pela mesma pessoa e que isso começa a ser meio estranho (no ultimo mês fui lá demasiadas vezes por causa de aniversários e tal) e que hoje até perguntei a outro funcionário que estava mais longe por um livro para finalmente ir lá uma vez sem ter contacto com o moço mas que no fim acabou por ser ele a registar a compra... "É o destino! Tens que falar com ele! Aposto que é o homem da tua vida! OMG é desta! Outro que trabalha com livros! I'm shipping you!", quando no fundo aquilo não tem muitos funcionários... 

O pior é que me esqueço de como ele é e acabo por lhe dizer sempre coisas pequenas que ele transforma em contos românticos e futuras pseudo-relações... O erro é meu.

21
Mar17

Os nomes são importantes?

Maki

Existe um senhor que costuma estar à porta do supermercado que costumo frequentar, nunca o vi a pedir nada, apenas a cumprimentar as pessoas enquanto olhava para baixo. Desejar uma boa tarde ao senhor passou a fazer parte da minha rotina, de tal forma que se vou às compras e não o vejo lá parece que o meu dia fica mais chato. O senhor sem nome tem um efeito maior no meu dia com o seu "Boa tarde" em plena rua do que muitas pessoas com nome.

No outro dia após lhe dar o "até logo" habitual, recuei e perguntei se queria umas barrinhas de cereais, e falámos durante algum tempo, o senhor sem nome já tinha percebido à algum tempo que eu era alentejana e ficamos ambos espantados quando nos apercebemos que eu sou da mesma terra que a mãe dele e que passo todos os fins-de-semana em que tenho a sorte de ir lá abaixo pela terra do pai dele mas que ele nasceu mais a norte. Agora sei que ele quer voltar para o Alentejo e que gostava de ter lá um montinho, mas que se recusa a ir para uma determinada terra porque o vinho é demasiado bom. Ainda não sei o nome do senhor, mas sei um pouco sobre quem ele é e as suas ambições... Não posso dizer o mesmo de várias pessoas com quem convivo todos os dias.

28
Fev17

No fundo as pessoas são o mais importante

Maki

Estou desde Outubro no mesmo quarto, numa casa média, desde Outubro que alguns canos entopem, as limpezas são meio rascas, tivemos noites sem luz e alguns moveis improvisados, mas não fazia mal porque as pessoas que cá estavam compensavam esses pequenos problemas, jantávamos juntas, sempre que nos cruzávamos nos corredores tínhamos um ou dois dedos de conversa que geralmente se prolongavam até à cozinha onde ficávamos a beber chá, verdade seja dita, por vezes as conversas prolongavam-se demais ao pequeno-almoço e acabava por chegar atrasada.

Em Janeiro elas foram-se embora, ora porque tinham acabado o semestre de erasmus, ora porque estavam prestes a começar o mesmo. Do grupo inicial ficámos duas e em Fevereiro entraram 3 pessoas novas. Apesar de possuir-mos o mesmo numero de prateleiras no frigorífico, hoje quando cheguei a casa não tinha espaço para por a comida pelo que tive que invadir a prateleira de alguém. Aparentemente a criatura que é apologista da vida em comunidade e respeito para além de não entender o que são espaços privados, também não percebe o que são zonas comuns. Há uma pilha de loiça por lavar e o fogão mete nojo.

Parece que está na altura de procurar um novo quarto.

15
Jan17

Ser gaja é caro (e complicado)

Maki

Hoje fui ás compras e gastei uma pequena fortuna, em alimentação? Não. Em doces? Infelizmente não. Em pensos. Quase 10 euros em pensos higiénicos que me vão durar apenas 2 meses porque infelizmente tenho imenso fluxo e quando estou em stress chego a ter hemorragias, ou seja, só com o período acabo por gastar 5euros por mês. A verdade é que podia comprar pensos mais baratos, e em tempos fiz isso, mas a qualidade e o conforto é incomparável, com estes o medo de estar suja é bastante menor, até mesmo durante a noite. Antes acordava sempre a meio pelo menos uma vez por me sentir desconfortável, especialmente durante verão.

Além desses 5 euros ainda gasto cerca de 3 euros por mês na pílula (o meu corpo é uma porcaria e reage mal às genéricas que são dadas no centro de saúde). Estes 8 euros tem mesmo que ser, mas depois ainda tenho as despesas adicionais em parte devidas à sociedade, os 10 euros do buço e das sobrancelhas (novamente aqui o meu corpo não me ajuda, tenho a pele sensível então a única opção que me deixa vermelha durante menos de 3 horas é das mais caras - a linha.  Quando fazia a cera ficava com marca durante 1 dia, e honestamente a marca vermelha destaca-se bem mais que o buço que a antecedeu) e 20 euros para a depilação. Honestamente nestas ultimas não sou tão regular como devia, tanto por preguiça como por desleixo e amor ao dinheiro, por exemplo neste momento sou um ursinho com um bigodinho de fazer inveja a muito homem.

Além desses gastos mensais uma gaja acaba por ter que comprar pelo menos um sutiã por ano, porque não importa o cuidado que tenhas com as coisas, acaba sempre por se estragar algum, ou o aro salta, ou fica com um buraquinho perto do fecho, ou começa a ficar rasgado perto da almofada... E cada sutiã mediamente bom é no mínimo 10euros... Sendo que existe sempre da a hipótese de uma pessoa comprar a copa errada por estar cansada e confundir o C com o B ou o 36 com o 34 e em vez de um suporte para o peito acaba por comprar uma prisão para as mesmas...  

Ou seja o simples facto de ter uma vagina faz com que gaste mais 8 euros por mês que um homem e se me importasse muito com a aparência ainda teria que gastar mais 30... Se bem que estes últimos 30 nos dias de hoje já não é muito relacionada com o sexo, porque há muito homem a também tratar das sobrancelhas e a se ver livre do pelo, mas ainda são poucos. 

O estado devia financiar-me pelo menos os pensos...

14
Jan17

Termo-1 Euzinha-0

Maki

Ontem comprei um termo, nunca tinha comprado um termo na minha vida, mas como aquele estava em promoção e era fofo resolvi compra-lo para meter o meu chazinho. Sou fã de chá? Nem por isso... Mas o termo era fofo e pareceu-me ser o incentivo necessário para passar a gostar de chá. Cheguei a casa, aqueci a água, meti uma saqueta de chá, esperei aquilo arrefecer um bocadinho, enchi o termo e levei-o para o quarto. 

Devo dizer-vos que o termo é óptimo em termos de isolamento, passado cerca de uma hora o chá ainda estava suficientemente quente para me queimar o queixo (literalmente queimar, já passaram 3 horas, e para além de uma mancha vermelha ainda sinto a pele a gritar "És mesmo burra!" apesar de já me ter besuntado com biafine). Mas hey! Agora já sei que o copinho não é só para decoração e que o conteúdo não sai pelo botão que diz "open". 

Crescendo e aprendendo.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D