Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha vidinha

A minha vidinha

02
Nov19

É assim tão complicado acreditar no Arnaldo?

Maki

Sinto-me ofendida. Quando me perguntaram se ainda estava solteira falei do Arnaldo, um tipo ligeiramente mais velho, estupidamente alto e nada gato.

Ok, ele não existe. Mas wow, podiam fingir que acreditavam que eu conseguia arranjar homem, nem que fosse apenas por uns breves minutos. 

Agora por uma questão de honra tenho mesmo que encontrar um Arnaldo, de preferência ligeiramente gato. 

01
Nov19

Rupturas

Maki

Se há coisa que me irrita na minha terrinha são as constantes rupturas no sistema de canalização. Ontem tive que esperar 2 horas para dar banho, e hoje cheira-me que vou ter que sair de casa sem o mesmo. 

O que até não seria muito mau se eu tivesse num dia normal. Mas naaaooo. Fucking período. 

Mas preciso tanto, mas tanto de comer um Toblerone que tenho mesmo que me fazer à estrada. E já sei como é... Como hoje que não tomei banho vou encontrar montes de gente conhecida. 

31
Out19

Moça dum cabrao

Maki

Hoje era para ter ido ao cemitério tratar das campas dos meus avós. Sei que é algo muito importante para eles, e eles mereciam. A minha avó enquanto pode ia lavar periodicamente a campa dos pais dela e dos sogros.

Sempre que alguém conhecido falecia os meus avós iam ao funeral dar força aos vivos e homenagear os mortos. Os meus avós compraram um pequeno espaço no cemitério para poderem ser sepultados juntos, o que demonstra que realmente para eles o que acontece aos seus restos depois de coiso é importante.

E eu, em quase 5 anos só fui lá 2 vezes. Sendo que a primeira nem foi para enterrar o meu avô porque aqui a forte após contar à avó que ele já não estava cá hibernou durante 3 dias.

E hoje fui? Não. Porque no fundo ir lá é admitir que eles já cá não estão e enquanto ser adulto e racional recuso-me a admitir tal coisa. Aí se houver vida depois da morte... Depois do meu avô lançar um foguete com a minha chegada, vai-me dar tanto, mas tanto nas orelhas! 

Tanta inteligencia emocional para umas coisas, tão pouca para outras...

 

Mas pode ser que os cabroes do Norte tenham peso de consciência e venham cá compensar uma das visitas que deviam ter feito em vivos e tratar das coisas. Era um alivio para mim. 

21
Out19

Olha que não.

Maki

Passaram algumas semanas desde que uma amiga minha me largou a bomba de que eu estou sozinha porque não gosto de mim, e que e por isso que não consigo acreditar que alguém possa gostar.

Na altura caguei naquilo, até porque ela queria fugir a um tema e eu não deixo que essas coisas aconteçam, mas hoje lembrei-me disso, e ponderei sobre o assunto.

É verdade, eu não gosto de mim, se me dessem a opção de escolher outra carinha e corpinho eu aceitava, assim como preferia alterar várias coisas da minha personalidade. No entanto sei viver com o que tenho e não acho que sejam problemas relacionados com a autoestima a causa de continuar solteira.

O problema é que tenho um sentido de autoprotecção demasiado elevado e respeito demasiado o meu espaço. Pelo que não me consigo imaginar ao lado de alguém que queira sempre carinho, andar de mão dada, alcunhas cutxi cutxi. Eu preciso de uma criatura com juízo, que saiba o que quer, que saiba estar sozinho, e que seja independente. Basicamente preciso de um homem que se pareça com um gato.

Não estou disposta a orientar a vida de alguém enquanto ele fica deitado no sofá a coça-los. Não estou disposta a dar de mim e a alterar a minha vida por alguém que não me dá confiança, e que sinto que à primeira atenção feminina que receba de outra pessoa me vai dar com os pés. E não vou estar numa relação tóxica em que eu esteja na lama para que a outra pessoa esteja minimamente feliz. Não tenho feitio para ficar à espera que um cabrão se lembre de mim quando está em baixo, ou que se atreva a me mandar abaixo para depois me ajudar a vir a cima para me transmitir a ideia de que agora lhe devo alguma coisa. O meu feitio não é o melhor, mas não vou andar a conter-me para não fazer dói-dói na criatura.

Por isso preciso de um tipo com armadura, que consiga aturar o meu feitio e que também me consiga espicaçar. Um tipo independente, com alguma inteligência emocional. Não de um macambúzio, nem de um tipo instável, ou de um psicopata. E infelizmente os últimos são o tipo de criatura tende a se interessar aqui na besta.

O problema não é eu não gostar de mim, o problema é que tenho demasiado amor próprio.

17
Out19

É por estas e por outras que não tenho coisas caras

Maki

No espaço de 12h consegui esquecer-me do fato-de-banho no balneario, deixa-lo na sala onde trabalho e como se não fosse suficiente o raio do saco onde o transportava caiu no meio de um jardim, e eu apercebi-me logo? Naaaaaaaaaao, só quando estava quase a chegar à porta do mesmo!

Não me bastava aquela porcaria ter um decote maior do que eu estava à espera e ao qual ainda não me habituei, o medinho que algo saia do sitio quando me agarro ao poleiro para descansar, ainda deixo aquela moenga em tudo o que é sítio!

08
Set19

Bailando

Maki

Em junho tive uma infecçãozita, e quando fui às urgências da terrinha, a doutora, após me fazer esperar 1 hora entre tirar sangue para a análise básica e voltar a ser chamada, na qual tive tempo de explorar toda a enfermaria e ver os meus resultados, pois deixaram-me sozinha na sala (no fundo sinto que foi um pequeno castigo por ter interrompido a sua "hora" de almoço e a ter obrigado a deixar o seu lar para voltar ao hospital, visto que a senhora só atendeu mais uma criatura durante essa hora e as análises levaram para aí 5 minutos a ficarem feitas...) 

Heis que finalmente sou chamada, ela passa-me os antibióticos e diz que tenho princípios de anemia e devia ir falar com a médica de família. 

O que não me disse é que a minha médica de família se ia reformar... Desde aí tem sido uma pequena aventura... Fui ao centro de saúde pedir para fazerem análises, no dia a seguir sai de lá com a data marcada e uma receita para uma infecção urinária que nunca tive e que a senhora da recepção alegava que devia tomar porque se o doutor,  que nunca me viu, a tinha passado por alguma razão seria.

À três semanas fui ao centro de saúde tirar sangue e a enfermeira, um amor de pessoa destoava completamente com as bestas da recepção, disse-me que depois tinha que marcar consulta para ter acesso aos resultados. Só que não tenho médico. E por incrível que pareça é mais complicado aceder aos resultados de umas análise do que receber medicação aleatória para a infeção urinária. 

Durante estas 3 semanas as senhoras recepcionistas, entre as conversas que mantinham entre elas e as cusquices com outros utentes prometeram-me um médico, sempre que me prometiam o dito metiam um sorriso resabiado na cara, pobre senhor... Quando chegar lá vai ser violado pelas solteironas... Heis que ontem me prometeram uma médica. Filhas, eu não quero saber se o Dr. Sebastião está à espera de um dia de nevoeiro para aparecer ou se a Dra. Fátima aparece dia 13 de Maio... Eu já nem peço uma consulta, nem médico de família. Só peço o papel. 

Com o andar da carruagem quando tiver o resultado das análises já estão desactualizados, e tenho que tirar sangue outra vez.

O mais chato é que quarta, quando já estiver em Lisboa, vou tentar dar sangue e vou ficar a saber em questão de minutos se sou ou não anémica, sem necessidade de andar bailando de um lado para o outro debaixo do sol estival nem mijando para um copinho.

08
Set19

É hoje que vou ser presa

Maki

Andam umas criaturas, que pela voz de cano rachado ou são putos de 16 anos ou homens feitos com problemas hormonais, a gritar rua abaixo, rua acima. 

Um deles chama-se Simão, e pelo tom em que gritam o nome dele ou está para morrer, ou está para casar, que o desespero é grande. Meus caros, se vocês querem comer o Simão desde os vossos 10 anos e nunca tiveram coragem de o admitir esse problema é vosso e apenas vosso, não me venham berrar para a rua! 

Estou a um niquinho de ligar para a guarda a dizer que tenho uma bazuca e 2 espingardas em casa preparadas para transformar a desordem em ordem caso não haja silêncio em 5 minutos. Sim, que aqui na terrinha se ligar para a esquadra apenas a indicar que estão a inibir o meu direito ao descanso, eles vão aparecer passado um ano e se for preciso juntam-se ao coro porque afinal também tinham uma crush secreta pelo Simão.

Puta que pariu... Isto só pode ser karma por tentar calar as minhas amigas quando elas estão podres de bebadas a berrar no meio da rua através do diálogo em vez de lhes pregar imediatamente uma cabeçada.

07
Set19

Odeio Setembro

Maki

Este ódio começou no segundo ano de faculdade, que no primeiro ainda achava que ia ser feliz. 

Setembro implica recomeços, assim como implica fim, e Deus sabe que é aborrecido chegar ao fim de um ano e perceber que não fizemos quase nada do que queríamos... 

Então a minha meta é, até terça fazer tudo o que devia ter feito em agosto, quer no âmbito de projectos pessoais, quer no âmbito da tese... Porque sou um cocozito preguiçoso que adia as coisas ao máximo.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D