Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha vidinha

A minha vidinha

21
Jul16

Miragens em plena piscina

Maki

Não sei se a culpa foi do calor, da luz reflectida pela minha tez, do sono ou da miopia, mas hoje de manhã ao estar a coisa de um metro do novo nadador salvador da terrinha vi uma cara completamente diferente da que vi esta tarde... Ou há dois nadadores muito parecidos ao longe e diferentes ao perto (pouco provável) ou o meu cérebro está farto dos rapazes da terrinha e resolveu-me pregar uma partida alterando a cara do amiguinho para me lavar a vista por breves momentos.

17
Jul16

Sou mesmo fixe

Maki

Ao acordar da sesta deparei-me com uma chamada de um numero desconhecido começado por "00" seguido de "49", como tenho familiares fora e o clima não é propriamente dos mais seguros fiquei meio preocupada, uma hora depois ligaram-me de outro numero também começado por "00" mas desta vez seguido de "33"... O  telemóvel tocou no máximo uns 10 segundos e assim que ia atender desligaram, o que me deixou desconfiada... Se fosse importante não ligavam só por segundos... Então usei o sempre fiel google para tentar perceber que raio se passava...

Após fazer sucesso no Japão, o meu charme chegou a França e Alemanha.

16
Jul16

Ainda não percebi se a Nintendo me odeia ou adora...

Maki

Na minha terrinha existem poucas coisas, portanto assumi que a igreja perto da minha casa que é a única onde se realiza a missa e que se pode visitar seria uma PokeStop... Nope. Todas as capelas e capelinhas da minha terrinha são PokeStops, uma escultura ranhosa é uma PokeStop, mas a igreja que fica ao lado de minha casa não o é... No entanto, quando esponjada no sofá aparecem-me esporadicamente pokemons, aliás após uma hora e meia de jogo, das quais 30 minutos foram passados a andar, 1/3 dos pokemons que tenho foram apanhados sem sair da sala (um deles foi apanhado na casa-de-banho, mas pssiiu), o que me faz assumir que aqui se dá o milagre da multiplicação.

Honestamente não esperava que o as pessoas na minha terrinha aderissem tanto, no pouco tempo em que andei de um lado para o outro acabei por ver 3 grupos de jovens a jogar, bem... Não tenho a certeza se um desses grupos estava realmente a jogar, mas tendo em conta que estavam todos em fila, virados para o muro do jardim de cabeça baixa e mãos perto da cintura vamos pensar que estavam a tentar alcançar a PokeStop que há lá no meio...

13
Jul16

O meu novo colega de casa

Maki

Quando voltei para a minha terrinha pensei que as únicas criaturas com que teria que partilhar a casa seriam da minha família, afinal enganei-me...

Ontem ao chegar ao quarto dei com o meu novo colega de casa... Um grilo quase do meu tamanho que se apressou para me cumprimentar saltando de alegria em direcção da minha perna, a minha reacção não foi das mais calorosas de sempre o que fez com que ele ficasse constrangido e actualmente habite algures na sala longe da vista (espero), mas não longe do coração.

11
Jul16

Oi? Identifiquei-me com a seleção

Maki

Nunca fui lá grande fã de futebol, vivi o euro 2004 e segui os outros campeonatos onde entrava a selecção, mais pelo convívio e os petiscos do que outra coisa. Até este ano, desde o primeiro jogo me identifiquei com o espírito daquilo. Passava todos os jogos com o coraçãozinho nas mãos porque o campeonato estava a ser uma analogia demasiado boa do meu semestre. Os jogadores lutavam para evitar que lhes marcassem e eram meio passivos da vida, tal como eu durante 80% do semestre. O seleccionador diz que o importante é chegar ao fim e ter o resultado pretendido, e foi assim que eu fiz um projecto inteiro de duas pessoas sozinha, sem nada pipi nem rebuscado. Após o jogo diziam que podia ter sido mais bonito mas que estávamos na final, a Maki no relatório explica onde podia ter sido mais eficaz mas argumenta que está funcional. Os comentadores diziam que os jogos de Portugal metiam nojo, os meus colegas defendiam que eu ia chumbar a tudo.

No fim do Euro Portugal ganhou a taça, no fim do semestre passei a quase tudo.

 

10
Jul16

Vizinho cantor

Maki

Esta rua está maldita, ou será a minha família? A verdade é que tanto eu como a minha irmã conseguimos passar o secundário e as férias da universidade com música de fundo lírica. Qual é a probabilidade de numa rua com 5 casas e com 8 anos de intervalo existam 2 miúdos que gostam de cantar ópera? Tenho que admitir que o meu vizinho cantor é bem melhor do que o da minha irmã, mas não é que o raio do rapaz só sabe uma música? Pelo menos o cantor na altura dela tinha um repertório mais vasto.

08
Jul16

Mosquitos dum raio!

Maki

Como se não fosse suficiente chato sobrevoarem a minha cabeça quando estou a tentar adormecer, o raio dos mosquitos acham que o meu corpo é um buffet e que os meus pés são as mesas das sobremesas, até na sola dos pés os bastardos me picam. Nada mais apetitoso que sangue com um leve aroma a chulé. 

07
Jul16

Finalmente de férias

Maki

Estou finalmente de férias, acabei os exames, voltei para a terrinha, a ter vida e consequentemente tempo para ser mais activa no blog. Não há nada como estar na terrinha, sair de casa e dizer pelo menos boa tarde a duas pessoas, estar com os amigos que cresceram contigo e que te conhecem (talvez demasiado bem), apesar do calor, de passar a noite a ser comida por mosquitos e as tardes a me coçar devido aos mesmos não trocava a minha terrinha por outra. 

O problema da terrinha é que me faz pensar que sou infeliz em Lisboa. Na noite em que cheguei havia uma festa por estas bandas então acabei por ver pessoal que não via desde o secundário, Foi tão bom! Vê-los, ter daqueles momentos que poderiam ser considerados dramáticos se a intenção de corrermos uns na direcção dos outros não fosse para nos tentar-mos derrubar. Na faculdade não tenho nada disto. Existem semanas em que não vejo ninguém conhecido na faculdade, em que entro e saio dos anfiteatros sem que ninguém repare, no fundo sou invisível. Não foi sempre assim... Houve uma altura em que tinha uns bros com quem falava e andava de um lado para o outro enquanto eles viam instagrams de gajas os comentavam e esporadicamente lá soltavam um ou outro pum, mas entretanto eles começaram a fugir de mim e eu percebi a ideia, mas agora nada disso importa porque estou finalmente de férias!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D